“…Tantas espécies de vozes no mundo, e nenhuma delas sem significação”.

Postado por Fabio souza     Categoria: Blog

O coração é que condiciona o ouvir o Espiritual. Na verdade, existe algo ainda a ser desenvolvido em relação ao campo musical no que diz respeito ao “som” que estamos buscando; trata-se de se comunicar espiritualmente. O ouvir não vai ocorrer enquanto também não soubermos comunicá-lo. Ambos, o ouvir e o comunicar são condicionados pelo nosso coração…

Da mesma sorte, se as coisas inanimadas que fazem som, seja flauta, seja cítara, não formarem sons distintos, como se conhecerá o que se toca com a flauta ou com a cítara? Porque, se a trombeta der sonido incerto, quem se preparará para a batalha? Há, por exemplo, tanta espécie de vozes no mundo, e nenhuma delas é sem significação. Mas, se eu ignorar o sentido da voz, serei bárbaro para aquele a quem falo, e o que fala será bárbaro para mim. Assim, também vós, como desejais dons espirituais, procurai sobejar neles, para a edificação da igreja. (1Coríntios 14:7, 8, 10-12 ARC)

Paulo fala sobre desejo, o desejar dons. Desejar está relacionado ao nosso coração, por isso deve estar relacionado com padrões corretos. Dons estão ligados às capacidades do nosso espírito humano, e o Espírito trabalha sobre o nosso para nos potencializar e nos desenvolver espiritualmente, com esse desejo provocando a sinergia. Isso estabelece a verdade que Yeshua fala em João 4.23-24:

Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e é necessário que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.

Paulo cita um som para festa e um som de atenção para guerra, e também afirma que no mundo esses sons trazem seus sentidos. Vemos isso em nosso meio nas tendências musicais hoje e através dos tempos, que falam de que os corações desejam. Daí esse som vem com a música, criando um ambiente e um comportamento, além de trazer um significado, que, sendo ignorante, também é ignorado, ou seja, um bárbaro.

Por fim, o desejo pelos dons (ouvir e comunicar) tem que estar alinhado com o que também anseia o Espírito: o fato de que é dado para uma utilidade. “Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um para o que for útil.” (1Coríntios 12:7 ARC) Os que trabalham com música e arte precisam saber e compreender que necessitam dos dons espirituais para perceber e comunicar o som. Isto pelo fato de terem que se mover no Espírito, utilizando seu espírito para operacionalizar e a alma para comunicar por meio de sua criatividade e feeling. A alma nunca fica de fora; ela deve ser posicionada, assim como a mente.

Que fazer, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento. (1Co 14:15)

Nesse capitulo 14 de I Coríntios, Paulo não está eliminando coisas, mas ajustando-as e posicionando-as também: espírito e alma (mente).

O que eu vejo nessa canção Walk in the Promise ( http://www.youtube.com/watch?v=UU3ZzcBJTvI ) é que, mais do que a intenção de poetizar e musicalizar, comunica-se um desejo, produzindo um som e evocando uma postura de alegria, atenção, súplica, busca, etc. Eles usaram da música e da poesia…

Eu gostaria de convocar tangedores e salmistas para esse tempo, o que significa mais do que ser MÚSICOS e poetas. E que, sendo bons MÚSICOS e poetas, o sejam como bons instrumentos que propagam bons sons, sendo tocados pelo Espírito do Pai, pelo que Ele quer operar e sobre o que nós temos que invocar!

E neles se cumpre a profecia de Isaías, que diz: Ouvindo, ouvireis, mas não compreendereis e, vendo, vereis, mas não percebereis. Porque o coração deste povo está endurecido, e ouviu de mau grado com seus ouvidos, e fechou os olhos, para que não veja com os olhos, e ouça com os ouvidos, porque vêem, e os vossos ouvidos, porque ouvem. (Mateus 13:14-16 ARC)

O Senhor diz: “Esse povo se aproxima de mim com a boca e me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. A adoração que me prestam é feita só de regras ensinadas por homens. (Isaías 29:13 NVI)

Apesar de tudo, me tragam aqui um tocador de lira”. Enquanto o músico tocava, a mão de Javé veio sobre Eliseu. (2Rs 3:15)

Depois chegarás ao outeiro de Deus, onde está a guarnição dos filisteus; ao entrares ali na cidade, encontrarás um grupo de profetas descendo do alto, precedido de saltérios, tambores, flautas e harpas, e eles profetizando. E o Espírito do Senhor se apoderará de ti, e profetizarás com eles, e serás transformado em outro homem. (1Sm 10:5-6)

UM SÓ CORAÇÃO, ESPÍRITO NOVO…

Postado por Fabio souza     Categoria: Blog

Tenho percebido que temos sido conduzidos para uma obra nos nossos corações. Creio que estamos nessa etapa, em que temos conhecido os nossos corações, e tem sido difícil lidar com ele e sincronizá-lo com a mudança que temos tido em nossas mentes em relação a uma liberdade que tem sido promovida pela busca do conhecimento da verdade. Verdade que não está baseada em ideias e conceitos, mas em uma pessoa , o Filho de Deus. É a vida em Cristo (O Ungido) sendo desenvolvida em nós, a Torah cumprida.

“Recordar-te-ás de todo o caminho pelo qual o Senhor, teu Deus, te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, para te provar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias ou não os seus mandamentos.” (Deuteronômio 8:2)

“as grandes provas que os vossos olhos viram, os sinais e grandes maravilhas; porém o Senhor não vos deu coração para entender, nem olhos para ver, nem ouvidos para ouvir, até ao dia de hoje.” (Deuteronômio 29:3-4)

Mas nos dias de hoje diz… “Dar-lhes-ei um só coração, espírito novo porei dentro deles; tirarei da sua carne o coração de pedra e lhes darei coração de carne;” (Ezequiel 11:19)

Conhecê-lo

Nossa jornada será sempre conhecer nossos corações, conhecendo quem somos e uns aos outros, e querer conhecer ao Pai, por meio do Seu Espirito.

A melhor palavra é sincronizar.

O hebraico não possui a palavra que signifique cérebro. A palavra mais comum usada em lugar de mente é coração, leb (1 Sm 9.19; Is 46.8).

O coração é considerado sede do intelecto, bem como da vontade e das emoções. O hebraico antigo não supunha que as pessoas pensavam com a mente, sentiam com as emoções e tomavam decisões com a vontade. Todas essas atividades eram desempenhadas pela pessoa integralmente

Conhecer a Deus significa ter um entendimento intelectual de quem ele era tendo um relacionamento pessoal e emocional com ele e sendo obediente à sua aliança e aos seus mandamentos. (Jr 22.15-16)

Não conhecer a Deus não significa necessariamente ignorância acerca de Deus; às vezes significa falta de disposição para obedecer a ele.

Conhecer também significa ser reconciliado com ele. Ele fez isso por nós mediante a morte do seu filho em nosso lugar (Rm 5.10-11;2 Co 5.15-21).

Israel experimentou sua presença e atividade, e ouviu sua voz na história de seu passado como nação. E também  experimentou na experiência pessoal, no culto, na teofania (uma aparição de Deus com o propósito de transmitir uma mensagem – chamar um profeta, fazer uma aliança ou promessa), no ouvir, no pronunciar de uma palavra profética, em sua consciência moral, na lei e nas ordenanças.

Queremos conhecê-lo, experimentar sua presença e atividade e ouvir sua voz. Todas as vezes em que isso era extinto de meio do povo, em Israel, era porque faltava um relacionamento de apego à sua aliança para com ele baseado em seus mandamentos. Assim é conosco também.

Um coração novo

“Dar-lhes-ei um só coração, espírito novo porei dentro deles; tirarei da sua carne o coração de pedra e lhes darei coração de carne;” (Ezequiel 11:19)

Essa porção das escrituras me posiciona no que o Pai está fazendo por esses dias. Aqui diz que Ele quer nos dar um só coração, e isso que dizer uma unidade de coração. Coração voltado para Ele, mudando de um tipo para outro tipo, de pedra para carne. Interessante é Ele querer tirar da nossa carne um coração de pedra para nos dar um de carne…

Carne aqui não está num contexto de carnalidade e sim de mente renovada, recebendo novas coisas, vivendo coisas novas. Mas um coração de pedra está apontando incredulidade, desobediência em relação a vontades. E o coração carne está identificando um coração inclinado a aprender, que é ensinável, em algumas vezes a ser forte, fortalecer que resume em uma nova ação.

E está condicionado ao coração de carne o espirito que vem entre nós como resultado dessa nova ação. Esse espirito está relacionado com:

Entusiasmo, vivacidade, vigor, coragem, disposição (de vários tipos), impulso irresponsável ou incontrolável, espírito profético, desejo, que inspira o estado de profecia extático, que impele o profeta a instruir ou admoestar, que concede energia para a guerra e poder executivo e administrativo, que capacita os homens com vários dons, como energia vital.

Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne.  Porei dentro de vós o meu Espírito e farei que andeis nos meus estatutos, guardeis os meus juízos e os observeis.” (Ezequiel 36:26-27)

É o processo para recerbermos a presença do Seu proprio Espírito para o conhecermos. Para conhecermos a sua presença e atividade e ouvir sua voz.

“Dar-lhes-ei coração para que me conheçam que eu sou o Senhor; eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus; porque se voltarão para mim de todo o seu coração.” (Jeremias 24:7)

“Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais.  Então, me invocareis, passareis a orar a mim, e eu vos ouvirei.  Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração.” (Jeremias 29:11-13, RAStr)

” e que amar a Deus de todo o coração e de todo o entendimento e de toda a força, e amar ao próximo como a si mesmo excede a todos os holocaustos e sacrifícios.  Vendo Jesus que ele havia respondido sabiamente, declarou-lhe: Não estás longe do reino de Deus. E já ninguém mais ousava interrogá-lo. ” (Marcos 12:33-34)

Cria em mim

Davi alcançou isso quando orou no Salmo 51.10-13: Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro de mim um espírito inabalável. Não me repulses da tua presença, nem me retires o teu Santo Espírito. Restitui-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito voluntário. Então, ensinarei aos transgressores os teus caminhos, e os pecadores se converterão a ti.

…Cria em mim, ó Deus, um coração puro…Coração em sentido figurado, o coração é a sede do intelecto (Gn 6.5), dos sentimentos (1Sm 1.8) e da vontade (Sl 119.2).

A palavra criar também está relacionada com fazer, formar e estabelecer. Essa palavra no hebraico é bara ( ארָבָ ), que quer dizer criar do nada. Uma obra totalmente advinda de um poder superior. Davi pede pra Deus fazer, formar e estabelecer um intelecto, sua metodologia, sua forma de pensar; Seus sentimentos de como perceber e como se relacionar; e de vontade o que deve ser feito.

…renova dentro de mim um espírito inabalável…espírito literalmente firme, forte e não ceder à tentação. Um espírito livre, disposto a cumprir com a lei de Deus, para salvar o salmista, em uma vida reta.

Não me repulses da tua presença, nem me retires o teu Santo Espírito. Restitui-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito voluntário… Ele não queria perder o fervor e a correspondência de Deus à sua busca, tudo isso para que ele pudesse ensinar aos transgressores os caminhos, e os pecadores se convertessem

Vamos clamar!!!

#Exousia – Discípulo e a autoridade

Postado por Fabio souza     Categoria: Blog

Exousia é o termo no grego que define a palavra autoridade, que se define como primeiramente liberdade de ação. (Eu particulamente a defino como o direito para exercer influencia).

Temos uma autoridade disponível muito grande para influenciar nessa terra. Talvez não dimensionemos isso por estarmos cegos pelo nosso egoísmo. Essa capacidade de influenciar deve confrontar nosso egoísmo. Nosso Mestre declarou: “TODA AUTORIDADE me foi dada”. Isso é muito maior do que pensamos, não experimentamos a liberalidade que há nessa declaração. Esta declaração está baseada pela ação do nosso Ungido(Cristo), vindo do céu, no que moveu na terra. Paulo destaca o sentimento em que O Ungido(Cristo) se moveu e que lhe proporcionou uma autoridade para se movimentar dentro dessas duas esferas, céus e terra, jamais vista. ELE inaugurou um reino, reino esse que outros antes dele prefiguraram o que Ele expressou exatamente. Impressionante como os céus e a terra sempre estiveram ao seu favor… Isso é interessante, e revela um princípio de autoridade que foi conferida e designada a Ele e Nele, e, através Dele e por Ele, foi designada também a nós.

Inicialmente, Ele se ofereceu nos céus embora tudo tivesse sido feito NELE, por meio DELE e para ELE… “Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste.” (Colossenses 1:16-17); não se apegou a nada que estava ao seu favor. Baseado nesse direito que tinha, se ofereceu para ser servo de tudo e a todos, na terra fez-se homem, e ser “homem” fosse o principal favorecimento a humanidade, mas não parou por ai. Mesmo sendo também humano, foi servo. Tudo o que foi atribuído a Ele, Ele usou para proporcionar autoridade. Vale uma reflexão, porque não exercemos tanta autoridade nem nossa capacidade de influência dentro disso tudo que foi proporcionado por Ele a nós. Posso oferecer uma pequena chave que tem chegado a mim nesses dias, uma exigência que tenho recebido: ser servo de todos. Isso tem sido difícil, servir os que não te favorecem, de fato servir e se disponibilizar a todos. Acredito que essa é uma chave que nos liberta do nosso egoísmo e abre uma capacidade de influência muito maior do que imaginamos; isso nos coloca em autoridade.

Estamos descentrados, envolvendo-nos com nossos problemas, complexidades, desafios COMUNS DA VIDA (trabalho, relacionamentos, dinheiro etc), também os problemas nos grupos, comunidades e congregações que estamos, e isso tem ofuscado nossa visão nos mantendo limitados ou até mesmo acorrentados pelo nosso egoísmo; não conseguimos ver Yeshua. O dar é grandioso, o servir é poderoso, e ver situações sendo contornadas, a ordem chegando em meio à desordem é a paisagem que sacia verdadeiramente o coração do servo.

Aquele que ensina precisa impulsionar seu aprendiz a ter uma operação como a dele ou até maior que ele. Se não pensar assim, quão limitada é a capacidade de influência que existe nele! Se nós buscamos constantemente superar, crescer e se desenvolver em nossa vida, então, o próximo tem que ser o resultado disso sempre. Não foi assim com o nosso Mestre quando disse que faríamos obras maiores que Ele? Se não estivermos preparando pessoas para fazer algo maior do que fazemos hoje, estamos limitando nossa autoridade à capacidade que temos para estender a obra. Na parábola dos talentos foi se distribuindo “conforme a capacidade de cada um”, preste atenção! Que até o que recebeu mais e desenvolveu mais ouviu “sobre o pouco foste fiel”. E é isso que temos recebido agora. Mesmo que o que desenvolvemos (hehe) seja o pouco, temos que ampliar como pensamos dentro de uma ordem espiritual.

Tudo no que Abraão foi desafiado estava sobre Isaque. Desde o início, tudo que Abraão se dispôs a romper para chegar naquele momento estava sendo transmitido a Isaque.

Por sua vez, logo depois tudo que Isaque viveu foi transmitido a Jacó e de tudo que este viveu sobre sua vida e se chegou ao nome da nação que havia sido prometida a Abraão – Israel.

Autoridade espiritual está no Ungido (Cristo) homem e não no Ungido (Cristo) como Deus. Não podemos inverter o nosso serviço, que é espiritual, e é atribuído à humanidade. O Pai amou e deu primeiro seu Filho, e hoje está gerando filhos para que a criação (céus e terra) receba deles a libertação. O serviço não é para o Eterno, é NEle. O homem que foi também criado dos céus e da terra tem no seu corpo componentes das duas realidades, temos um corpo que vem da terra, uma alma que expressa aquilo que veio dos céus, o nosso espírito; e receberemos novos corpos no novo céu e na nova terra. Já estamos no céu vivificados no Ungido, um dia nossa alma ressuscitará e receberemos um novo corpo “Semeia-se corpo natural, ressuscita corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual.” (1 Coríntios 15:44) Fomos colocados para dominar e senhorar a terra em autoridade.

Semeia-se corpo animal, é ressuscitado corpo espiritual. Se há corpo animal, há também corpo espiritual. Assim também está escrito: O primeiro homem, Adam, tornou-se alma vivente; o último Adam, espírito vivificante. Mas não é primeiro o espiritual, senão o animal; depois o espiritual. O primeiro homem, sendo da terra, foi terreno; o segundo homem foi o [próprio] DEUS celestial. Qual o terreno, tais também os terrenos; e, qual o celestial, tais também os celestiais. E, assim como trouxemos a imagem do terreno, que possamos também trazer a imagem daquele que é celestial. (1 Coríntios 15:44-49)

Certo, o ponto principal do que vos escrevi é o ponto inicial da convocação do discipulado dO Ungido(Cristo), é negar-se a si mesmo. Talvez não se tenha conhecido quase nada dessa real autoridade, porque ainda não estamos nos aproximando da maneira correta dentro de tudo que estamos vivendo. Existe uma condição para andar nessa autoridade, e Ele foi bem claro quando disse: “Vocês são os que têm permanecido ao meu lado durante as minhas provações. E eu lhes designo um Reino, assim como meu Pai o designou a mim, para que vocês possam comer e beber à minha mesa no meu Reino e sentar-se em tronos”… Ou seja, permanecer ao seu lado tendo uma identificação. Negar-se a si mesmo pode ser a tomada da chave que libera nossos pés para andar em autoridade, sem egoísmo “… Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (João 8:31-32). Pode ser o egoísmo o principal opositor de conhecermos nossa total autoridade? Acredito que sim, pois os homens controlam e manipulam por causa do egoísmo e do medo. Seja livre!

“…Pois quem é maior: o que está à mesa, ou o que serve? Não é o que está à mesa? Mas eu estou entre vocês como quem serve. Vocês são os que têm permanecido ao meu lado durante as minhas provações. E eu lhes designo um Reino, assim como meu Pai o designou a mim, para que vocês possam comer e beber à minha mesa no meu Reino e sentar-se em tronos, julgando as doze tribos de Israel.” (Lucas 22.27)

“…E, quando o Filho do Homem vier em sua glória, e todos os santos anjos, com ele, então, se assentará no trono da sua glória;” (Mateus 25.31)

Estação 3 – Mergulhar …

Postado por Fabio souza     Categoria: Blog

Tenho me visto movimentando-me sobre a exigência de um campo novo para mim. Pela própria movimentação das coisas, vejo em algumas incursões que se exigem de mim ações ou instruções. Isso tem me deixado feliz, pois gosto de desafios, do pioneirismo. Desafios que começam dentro de mim, comigo mesmo, e depois desafia o meio. Sempre me vejo envolvido em meio a coisas como essas. Estamos num estágio em que grupos de discípulos tem sido unidos pela palavra que nos tem alimentado implantando comunidades de santos visando a construir o corpo de cristo. Conversando sobre isso com Marin Scott, ele comentou que: “… Trabalhar estrategicamente para ver a liberação do corpo é muito importante para o Brasil. Uma grande parte do corpo tem sido aprisionada dentro da igreja. Existem tantas formas da igreja que não estão mais produzindo, então liberar discípulos deve ser a prioridade…”
Acredito que estamos necessitando de dedicação na oração. Estamos diante de uma nova estação e movimentação, ainda que não sintamos o reflexo delas agora, mas trará implicações sobre nós e vamos perceber. Tenho percebido uma agitação no nosso meio, na forma de doenças e complicações, uma certa turbulência. A oração nos ajuda a manter a alma saciada, pode não trazer solução imediata (embora eu ache muito difícil que não traga), nos mantém na posição, diante do trono dO Pai por meio da obra intercessoria do Filho. O Espírito tem uma via para transitar no nosso meio quando oramos, por isso Paulo no encoraja a “… com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos (Ef 6:18). Com a prática, não temos uma visão turva dos acontecimentos, temos que desenvolver o hábito de nos antecipar, não somente no fato de sabermos antes do que se vai ocorrer (podemos não saber), mas de nos fazer saber como chegar no momento em que as situações conturbadoras se apresentam. Isso cria em nós uma preparação para o acontecimento, uma clareza de ação.

Certa vez  Tommy Tenney disse : “Sigamos o exemplo de Davi em I Samuel 30, onde, em meio a uma situação de caos e desespero, reservou um momento para oração. Temos que desenvolver em nós a “consciência do poder” mais do que “consciência do problema”. Quase sempre entramos em pânico quando deveríamos orar; e desfalecemos quando deveríamos “ter fé”. Livre-se do impossível e experimente o sobrenatural, livre-se também da pressa de acordo com Isaías 40.31a Deus promete renovar os que esperam.”

Existe um convite para que em meio às turbulências ou situações contrárias deixemos de guerrear e mergulhemos em devoção. O Salmo 46:10-11 diz: “Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio.” Imagina que no meio de uma guerra Ele diz: raphah = relaxar, deixar cair, estar desalentado, relaxar, abster, abandonar, deixar ir e impedir, deixar só, estar em silêncio, mostrar-se frouxo.

Em outras palavras Ele está dizendo a um exército: “Baixem as armas, deixem de lutar…” É dificil, mas podemos crescer para o lugar em que ELE quer nos levar. Não é ficar parado, é ir em direção a ELE. Vamos crescendo.

Seguem algumas orientações:

A oração é situada no contexto de sermos gratos (Ef 5.20; Fp 4.6; Cl 4.2; 1Tss 5.17-18;1Tm 2.1). A oração deve fluir de gratidão não de murmuração.

O que orar?
Paulo pediu a seu favor (II Ts 3.1; Ef 6.19)
Pra que a palavra do Senhor se espalhasse rapidamente e fosse glorificada;
Para que fosse capaz de falar com ousadia e com convicção;
E também fazia pelos cristãos (Rm 1.8; Ef 1.16; 3.14; Fp 1.9,10);

Conclusão:
Oravam pelas necessidades uns dos outros;
Oravam por aqueles que levaram o evangelho aos outros;
Oravam por todos os homens.

Orem e meditem nesse Salmo … “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações. Portanto, não temeremos ainda que a terra se transtorne e os montes se abalem no seio dos mares; ainda que as águas tumultuem e espumejem e na sua fúria os montes se estremeçam. Há um rio, cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário das moradas do Altíssimo. Deus está no meio dela; jamais será abalada; Deus a ajudará desde antemanhã. Bramam nações, reinos se abalam; ele faz ouvir a sua voz, e a terra se dissolve. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. Vinde, contemplai as obras do Senhor, que assolações efetuou na terra. Ele põe termo à guerra até aos confins do mundo, quebra o arco e despedaça a lança; queima os carros no fogo. Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio.” (Salmos 46:1-11). Acredite, existe um rio encontre-o e mergulhe!

Abraços,
Ósculos santos.

o propósito dos acontecimentos

Postado por Fabio souza     Categoria: Blog

Santos, escrevo para cooperar com nossa compreensão de umas das diretivas trazidas pelo Martin Soctt sobre “Novo descanso substituindo o cansaço para poder dormir durante a tempestade”

Sempre nos mantemos acordados quando Ele esta dormindo e quando deveríamos estar dormimos enquanto deveríamos estar acordados.

Estamos acordados quando Jesus esta dormindo (Os discípulos no barco) e dormimos quando Ele estiver acordado (Getsêmani)

Devemos amá-lo mais enquanto o seu espírito nos traga mais fé e esperança…
Dois cenários diferentes um mesmo principio, estar entendendo as situações que estamos vivendo, a base desse entendimento esta na postura de Cristo. Ele esta dormindo em meio as nossas tempestades e nos dormindo nas dele… Somos assim… Sempre devemos observar qual é a postura do mestre, e qual o propósito dos acontecimentos.

Independente das circunstancias que atravessamos, precisamos saber: Jesus está dormindo? (barco) Jesus está acordado? (Getsêmani)
O Espírito está pronto, mas a carne é fraca. Não durma.

3 oportunidades, 3 períodos.

Quando Ele estava dormindo, eram os barcos que estavam em risco. Os negócios dos homens é que estavam em risco. “As nossas coisas.”
Quando Ele estava acordado e não os discípulos, era a causa dEle, a obediência que está em jogo.

Dormir nas nossas coisas e acordar nas coisas dEle. Estamos com Ele. Ele não vai faltar…