Uma tribo dentre todas

Postado por Fabio souza     Categoria: Blog

10588915_733168073395565_409862044_nNo tempo em que Davi estava formando a organização do seu reinado, as tribos de Israel se apresentam para cooperar com o estabelecimento do reino.

Então, entrou o Espírito em Amasai, cabeça de trinta, e disse: Nós somos teus, ó Davi, e contigo estamos, ó filho de Jessé! Paz, paz seja contigo! E paz com os que te ajudam! Porque o teu Deus te ajuda…

Porque, naquele tempo, dia após dia, vinham a Davi para o ajudar, até que se fez um grande exército, como exército de Deus… Ora, este é o número dos homens armados para a peleja, que vieram a Davi, em Hebrom, para lhe transferirem o reino de Saul, segundo a palavra do SENHOR… (1 Crônicas 12.18,22-23)

Que momento interessante: uma mobilização ocorre, tribos se unem na transição de um modo de reinar para outro, há uma nova palavra, uma nova direção, uma transição de Saul (modo vigente) para Davi (novo modo). O interessante é que não existe uma anulação das características das tribos, somente do modelo de reinado. Um exército como o de Deus – na terra como no céus, essa sempre foi a busca de Davi, que sempre se considerou um príncipe e sabia que era o verdadeiro rei.

Uma tribo tem uma especificação de uma característica bem interessante, entre outras. As tribos tinham especificação de homens guerreiros, experientes de guerra, hábeis para o uso de todo tipo de armas, e homens com todo tipo de armas para batalhas e preparados para o serviço militar. Mas uma tribo é citada como homens que entendiam as épocas, estações, os tempos, e que sabiam o que Israel deveria fazer (1 Crônicas 12.32). É muito importante este serviço, porque do que adianta ter todo o preparo e poderio se não se sabe o que deve ser feito? O que fica claro é que o fazer está relacionado diretamente com o tempo. Por eles entenderem os tempos, sabiam como proceder, ou seja, o modo. Esses dois fatores são fundamentais para a operação e articulação do funcionamento de uma missão, Vejo nessa tribo a sinergia entre profético e apostólico. Estou procurando mais evidências escriturais para compreensão de como atua essa tribo no meio de Israel. Interessante é a palavra do seu patriarca destinado ao seu filho Issacar, de onde se originou essa tribo. Diz assim: Issacar é um jumento forte, deitado entre os abrigos das ovelhas (Gn 49.15) A força que tinha essa tribo se caracteriza pela capacidade de carregar (movimento e articulação) e auxiliar. O jumento foi a figura levada no estandarte dessa tribo, uma identificação da sua característica. Veja que interessante: hoje associamos esse animal à falta de capacidade de saber o que fazer. Vamos ver de onde surgiu isso.

“O nome “burro” veio do latim burrus, que quer dizer vermelho. Acredita-se que foi daí que surgiu a crença de que burros são pouco inteligentes, pois, antigamente, os dicionários tinham capas vermelhas, dando a ideia de que os burros eram sedentos de saber. Outra história diz que numa moeda antiga tinha a imagem de um rei com uma cabeça enorme que não era esperto, que se associou com a cabeça resistente do burro. Porém, também pode ter surgido da lenda grega do rei Midas, que foi tolo ao ponto de contradizer a irrevogável palavra do deus Apolo, que foi castigado pelo deus, recebendo orelhas de burro.

Em Portugal, tal como no Brasil, chamar burro a alguém é uma ofensa. Um indivíduo burro é um indivíduo pouco inteligente, estúpido, teimoso, ignorante, com pouco entendimento, sem conhecimento geral nem criatividade.” (Fonte Wikipédia)

Então, vamos mudar nosso conceito e sermos auxiliadores na movimentação do povo de Adonai? Vamos calar vozes proféticas equivocadas como a mula de Balaão?

Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.(MT 11.28-30)

Vamos nos unir para vermos o reino que estará sendo estabelecido.

O sétimo anjo tocou a trombeta, e houve no céu grandes vozes, dizendo: O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos. E os vinte e quatro anciãos que se encontram sentados no seu trono, diante de Deus, prostraram- se sobre o seu rosto e adoraram a Deus, dizendo: Graças te damos, Senhor Deus, Todo- Poderoso, que és e que eras, porque assumiste o teu grande poder e passaste a reinar.(AP 11.15-17)