Estação 3 – Mergulhar …

Postado por Fabio souza     Categoria: Blog

Tenho me visto movimentando-me sobre a exigência de um campo novo para mim. Pela própria movimentação das coisas, vejo em algumas incursões que se exigem de mim ações ou instruções. Isso tem me deixado feliz, pois gosto de desafios, do pioneirismo. Desafios que começam dentro de mim, comigo mesmo, e depois desafia o meio. Sempre me vejo envolvido em meio a coisas como essas. Estamos num estágio em que grupos de discípulos tem sido unidos pela palavra que nos tem alimentado implantando comunidades de santos visando a construir o corpo de cristo. Conversando sobre isso com Marin Scott, ele comentou que: “… Trabalhar estrategicamente para ver a liberação do corpo é muito importante para o Brasil. Uma grande parte do corpo tem sido aprisionada dentro da igreja. Existem tantas formas da igreja que não estão mais produzindo, então liberar discípulos deve ser a prioridade…”
Acredito que estamos necessitando de dedicação na oração. Estamos diante de uma nova estação e movimentação, ainda que não sintamos o reflexo delas agora, mas trará implicações sobre nós e vamos perceber. Tenho percebido uma agitação no nosso meio, na forma de doenças e complicações, uma certa turbulência. A oração nos ajuda a manter a alma saciada, pode não trazer solução imediata (embora eu ache muito difícil que não traga), nos mantém na posição, diante do trono dO Pai por meio da obra intercessoria do Filho. O Espírito tem uma via para transitar no nosso meio quando oramos, por isso Paulo no encoraja a “… com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos (Ef 6:18). Com a prática, não temos uma visão turva dos acontecimentos, temos que desenvolver o hábito de nos antecipar, não somente no fato de sabermos antes do que se vai ocorrer (podemos não saber), mas de nos fazer saber como chegar no momento em que as situações conturbadoras se apresentam. Isso cria em nós uma preparação para o acontecimento, uma clareza de ação.

Certa vez  Tommy Tenney disse : “Sigamos o exemplo de Davi em I Samuel 30, onde, em meio a uma situação de caos e desespero, reservou um momento para oração. Temos que desenvolver em nós a “consciência do poder” mais do que “consciência do problema”. Quase sempre entramos em pânico quando deveríamos orar; e desfalecemos quando deveríamos “ter fé”. Livre-se do impossível e experimente o sobrenatural, livre-se também da pressa de acordo com Isaías 40.31a Deus promete renovar os que esperam.”

Existe um convite para que em meio às turbulências ou situações contrárias deixemos de guerrear e mergulhemos em devoção. O Salmo 46:10-11 diz: “Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio.” Imagina que no meio de uma guerra Ele diz: raphah = relaxar, deixar cair, estar desalentado, relaxar, abster, abandonar, deixar ir e impedir, deixar só, estar em silêncio, mostrar-se frouxo.

Em outras palavras Ele está dizendo a um exército: “Baixem as armas, deixem de lutar…” É dificil, mas podemos crescer para o lugar em que ELE quer nos levar. Não é ficar parado, é ir em direção a ELE. Vamos crescendo.

Seguem algumas orientações:

A oração é situada no contexto de sermos gratos (Ef 5.20; Fp 4.6; Cl 4.2; 1Tss 5.17-18;1Tm 2.1). A oração deve fluir de gratidão não de murmuração.

O que orar?
Paulo pediu a seu favor (II Ts 3.1; Ef 6.19)
Pra que a palavra do Senhor se espalhasse rapidamente e fosse glorificada;
Para que fosse capaz de falar com ousadia e com convicção;
E também fazia pelos cristãos (Rm 1.8; Ef 1.16; 3.14; Fp 1.9,10);

Conclusão:
Oravam pelas necessidades uns dos outros;
Oravam por aqueles que levaram o evangelho aos outros;
Oravam por todos os homens.

Orem e meditem nesse Salmo … “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações. Portanto, não temeremos ainda que a terra se transtorne e os montes se abalem no seio dos mares; ainda que as águas tumultuem e espumejem e na sua fúria os montes se estremeçam. Há um rio, cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário das moradas do Altíssimo. Deus está no meio dela; jamais será abalada; Deus a ajudará desde antemanhã. Bramam nações, reinos se abalam; ele faz ouvir a sua voz, e a terra se dissolve. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. Vinde, contemplai as obras do Senhor, que assolações efetuou na terra. Ele põe termo à guerra até aos confins do mundo, quebra o arco e despedaça a lança; queima os carros no fogo. Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio.” (Salmos 46:1-11). Acredite, existe um rio encontre-o e mergulhe!

Abraços,
Ósculos santos.